História e Utilizaçãodos Robôs

O autómato pode ser considerado como um antepassados dos robôs, uma forma primitiva se quisermos. Um autómato é um dispositivo que se comporta de forma automática, isto é, mexe-se sem nenhuma intervenção humana. O movimento é sempre o mesmo. Foi apresentado em 1738 por Jacques de Vaucanson um autómato muito desenvolvido. Tratava-se de um homem que tocava um instrumento de música. Este mesmo senhor também foi o inventor de um autómato que representava um patinho que comia e rejeitava a comida como um verdadeiro pato. A principal diferença entre um autómato e um robô reside no facto de o autómato só reproduzir um movimento.

O robô é, quanto a ele, capaz de efectuar variadíssimos movimentos e de se adaptar àquilo que lhe é pedido. É precisamente por causa desta característica que os robôs foram e continuam a ser aproveitados na indústria automóvel. O Unimate foi o primeiro robô concebido para esse intuito. Foi introduzido nas linhas de montagem da General Motors em 1961. O segundo robô foi aquele que foi enviado pela União soviética aquando da investigação da Lua em 1970. Chamava-se Lunokod 1 e percorreu uma distância de 10 km e conseguiu captar mais de 20000 imagens.


Uso num contexto industrial

RobotDepois destes anos todos, os robôs continuam a ser intensivamente utilizados no mundo da indústria. Desempenham as funções mais difíceis e cansativas. São excelentes para a realização das tarefas repetitivas com precisão e rigor. No caso da indústria automóvel, substituem os operários a nível da pintura, soldagem e quinagem, por exemplo. Estes robôs estão equipados de uma visão especial para poderem reagir rapidamente e verificar a qualidade dos produtos fabricados.


Robôs para o divertimento

RobotO ano de 2009 foi um ano que conheceu uma grande explosão da robótica de divertimento. Os países onde esta vertente conhece um maior desenvolvimento é o Jopão e a Coreia do Sul. Este mercado foi primeiro aproveitado pela Sony com o seu robô Aibo comercializado de 1999 a 2006, data em que desistiu por causa do baixo rendimento económico. Em 2009, sai o Nao produzido pela Aldebaran Robotics. O robô mais conhecido é o Robosapien e foi vendido a mais de três milhões de exemplares em 2009.


Uso em contacto medical

RobotNeste caso, o robô é um dispositivo muito complexo e muito eficaz que permite ao médico ter uma precisão muito maior. Podemos referir aqui o Da Vinci, um robô capaz de diagnosticar e operar os pacientes. Foram vendidos mais de 1200 exemplares em todo o mundo até hoje. Também existe o Cyberknife que actua na área da radioterapia. Foram vendidos mais de 150 exemplares deste robô.


Uso doméstico

RobotTambém existem robôs domésticos. O objectivo destes últimos é de nos ajudar a tratarmos das tarefas domésticas, como, por exemplo, passar o aspirador com os robôs aspiradores (Roomba vendido a mais de três milhões de exemplares em 2009) ou cortar a relva com o robô corta-relva.


Uso na exploração espacial

RobotDepois do Lunokhod 1, os cientistas têm-se dedicado ao desenvolvimento de robôs para a exploração do sistema solar muitas vezes em contextos extremamente perigosos para o homem. Podemos referir o Spirit e o Opportunity. São os robôs responsáveis pela exploração do planeta Marte, Mars Exploration Rover. Nestes casos, o critério autonomia do robô é capital, e isto, porque é claro que a assistência a uma distância tão longe é muito difícil. O robô deve assim ser capaz de se “desenrascar” sozinho.